Um desafio em três etapas

Flight Time é o favorito entre os potros

No turfe, a Tríplice Coroa é uma espécie de torneio. São três provas de Grupo I, em distâncias diferentes, em um espaço de aproximadamente dois meses. Para entrar no seleto hall de Tríplices Coroados, basta vencer as três. Parece simples, né?! Mas não é.

O intervalo curto de tempo dificulta a preparação e adaptação do animal aos diferentes percursos. Na Gávea, as Tríplices Coroas, tanto de potrancas, quanto de produtos, são realizadas nas distâncias de 1.600, 2.000 e 2.400 metros, sempre na grama¹. Não parece, mas os 400 metros a mais entre uma carreira e outra, muda praticamente tudo.

Silence Is Gold, a líder entre as potrancas na Gávea

Os cavalos que normalmente correm 1.600m têm a velocidade e a aceleração completamente diferente de um animal de 2.400m. Nos percursos mais longos a resistência e a estamina são critérios decisivos. Ou seja, para se tornar um Tríplice Coroado, entre outros fatores, um animal precisa ser completo.

Quando digo outros fatores me refiro a detalhes de corrida que podem fazer toda diferença. Supondo que você tenha esse “super cavalo”, ele precisa, nas três provas: largar bem, ter um bom percurso, não sofrer prejuízos, ter condições climáticas e de pistas favoráveis, uma boa adaptação ao estilo de seu jóquei, ter ritmo favorável à sua característica – se atropela, precisa que os páreos saiam em um “train” mais intenso, se corre entre os primeiros, que as carreiras tenham mais cadência.

Viu?! Só mesmo os craques conseguem driblar todos esses obstáculos para se impor nesse grande desafio. Domingo começa uma nova disputa. Oito potros, dez potrancas e um mesmo objetivo: escrever seu nome na história.

Texto: Celson Afonso

Fotos: Sylvio Rondinelli

¹ Em 2009, em meio a reforma da pista de grama, as duas primeiras etapas foram disputadas na areia.

Compartilhe com seus amigos

2 comentários “Um desafio em três etapas

  1. Boa tarde Celson Afonso,tudo bem?Obrigado pelas suas marcações maravilhosas.Acerto bastante nas corridas. quando for ao Rio,vou te condidar para tomarmos um um café.Abraços,Roberto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *