Tríplice coroa na corrida: você já ouviu falar dela?

tríplice coroa na corrida

A tríplice coroa na corrida é uma das mais altas premiações do turfe. Porém, por suas diferentes distâncias, alcançar esse feito é uma tarefa difícil. No Jockey Club Brasileiro, poucos conjuntos foram tríplice coroados e entraram para a história do esporte.

Quer entender melhor como funciona a tríplice coroa no turfe nacional e internacional, além de ver mais informações sobre algumas lendas dessas corridas? Continue a leitura!

O que é a tríplice coroa na corrida?

A tríplice coroa é a conquista de três provas predeterminadas pelas sociedades de turfe em um mesmo ano. Esses páreos são disputados em distâncias diferentes e pelo mesmo conjunto, que conta com um cavalo ou uma égua de três anos de idade e, geralmente, o mesmo jóquei. As corridas costumam ocorrer com um curto intervalo de tempo, o que dificulta o sucesso.

No Jockey Club Brasileiro (Rio de Janeiro), as três provas de corrida de cavalos que formam a tríplice coroa são:

  • Grande Prêmio do Rio de Janeiro (1.600 m);
  • Grande Prêmio Francisco Eduardo de Paula Machado (2.000 m);
  • e Grande Prêmio Cruzeiro do Sul (2.400 m).

Esta última competição é conhecida como o Derby Brasileiro (ou Derby Carioca), sendo uma das mais tradicionais do país.

É importante destacar que a tríplice coroa das éguas é separada dos machos no turfe carioca. Neste caso, os páreos que constituem o prêmio são:

  • GP Henrique Possolo (1.600 m);
  • GP Diana (2.000 m);
  • e GP Zélia Gonzaga Peixoto de Castro (2.400 m).

Há também outras tríplices coroas nas corridas brasileiras, como a Paulista, a Paranaense e a Riograndense. Em São Paulo, a prova segue as mesmas distâncias da Carioca e é composta pelo Grande Prêmio Ipiranga, Grande Prêmio Jockey Club de São Paulo e Grande Prêmio Derby Paulista — outra tradicional do turfe nacional.

Nos Estados Unidos, a tríplice coroa tem grande relevância. Vale destacar que os três páreos são disputados em estados diferentes:

  • Kentucky Derby (2.000 m em Kentucky);
  • Preakness Stakes (1.900 m em Maryland);
  • e Belmont Stakes (2.400 m em New York).

Qual é a importância da tríplice coroa no turfe?

Alcançar essa honraria é o objetivo dos grandes treinadores do turfe. Um dos fatores que demonstram sua importância é a pequena lista de cavalos que conseguiram vencer as três provas principais e ficaram com o título. Por isso, aquele que adiciona tal troféu ao seu histórico é mais valorizado no esporte.

O curto espaço de tempo entre as provas é um dos principais dificultadores para a conquista da tríplice coroa. No Rio de Janeiro, os páreos são realizados com o intervalo de um mês cada. Já nos Estados Unidos, as provas ocorrem em ainda menos tempo, o que aumenta a exigência física dos animais.

A linhagem é um dos fatores essenciais a serem considerados na criação de um cavalo de corrida. Ter no DNA os genes de antigos campeões não garante que aquele animal seja um grande competidor, mas aumenta o potencial e os preços para garantir uma sessão de acasalamento com ele.

Em 2015, depois que American Pharoah conquistou a Tríplice Coroa Americana, o valor de cobertura do seu pai, Pioneerof the Nile, passou de 60 mil dólares para 125 mil dólares em 2016, o que equivale a R$ 470 mil. O destaque é que o animal já estava aposentado nesse ano e era somente reprodutor.

Como é o treinamento dos animais para a tríplice coroa?

Além do curto intervalo entre as disputas, cada fase da Tríplice Coroa possui uma distância diferente. Isso significa que, além de não ter muito tempo para descansar, os animais ainda possuem objetivos maiores em cada etapa.

Distâncias

O fato de as distâncias serem diferentes é um complicador. O treinador deve preparar o animal para percorrer todo o circuito final (o mais longo) depois de vencer duas provas apenas algumas semanas antes. O treinamento é fundamental: nele, o responsável deve analisar o humor do animal e montar o planejamento a partir dessa avaliação.

Em 2015, o puro-sangue American Pharoah foi tríplice coroado nos Estados Unidos, quebrando o tabu de 37 anos sem que nenhum conseguisse terminar os três páreos principais na frente. Uma das explicações é que Belmont Stakes é uma das corridas mais longas disputadas no país, algo a que a raça não está acostumada atualmente.

Linhagem

A linhagem também é um fator relevante. American Pharoah tem, em sua ascendência, três tríplices-coroados: War Admiral (1937), Count Fleet (1943) e Secretariat (1973). Em 2018, Justify entrou para a seleta lista de campeões. Os dois têm em comum o treinamento de Bob Baffert, um dos grandes do esporte.

O treinamento de Justify ocorreu de forma diferente. O cavalo estreou nas pistas somente com três anos de idade, o que não é usual. É comum que os animais disputem algumas provas com dois anos como forma de preparação, mas a tática diferente deu certo: ele venceu a tríplice coroa e foi aposentado invicto, depois de seis vitórias.

Quem já venceu a tríplice coroa na história do esporte?

No JCB, apenas 12 cavalos e 5 éguas conquistaram essa honraria. Na categoria feminina, a mais recente foi No Regrets, em 2017, comandada por Wesley da Silva Cardoso. Entre os cavalos, Bal a Bali, em 2014, treinado por Dulcino Guignoni e montado por Vagner Borges, foi o último campeão.

Nos Estados Unidos, são 13 os conjuntos que venceram os três páreos principais no mesmo ano. O último deles foi Justify, em 2018, comandado por Mike E. Smith e treinado por Bob Baffert. O garanhão encerrou a carreira com seis vitórias e quase quatro milhões de dólares em prêmios neste ano.

Já no Canadá, a tríplice coroa tem uma diferença importante: as três corridas têm a mesma distância das americanas, mas são todas disputadas em pisos diferentes. Criada oficialmente em 1959, essa honraria teve seu último vencedor em 2003, quando Wando cruzou a linha de chegada na frente.

Confira mais informações sobre alguns vencedores da tríplice coroa no turfe mundial!

Justify

Justify é um dos melhores cavalos da atualidade. O PSI de três anos foi o 13º cavalo a ser tríplice coroado nos EUA. Por conta de um problema no tornozelo, ele pode ser aposentado de forma invicta em 2018. Veja mais algumas informações sobre o animal:

  • título — Tríplice Coroa Americana em 2018;
  • jóquei — Mike E. Smith;
  • país de origem — Estados Unidos;
  • ano — 2015;
  • pais — Scat Daddy e Stage Magic.

Bal a Bali

Esse cavalo figura entre as lendas do turfe brasileiro. Além de ser tríplice coroado no Jockey Club Brasileiro, ele venceu o GP Brasil, uma das competições mais tradicionais do país, e também uma corrida nos Estados Unidos depois que foi vendido. Atualmente, o Bal a Bali está aposentado. Saiba mais sobre ele:

  • título — Tríplice Coroa Carioca em 2014;
  • jóquei — Vagner Borges;
  • país de origem — Brasil;
  • ano — 2010;
  • pais — Put It Back e In My Side (Clackson).

Plenty of Kicks

Um dos melhores corredores da década, Plenty of Kicks conquistou a Tríplice Coroa Carioca em 2012. O cavalo precisou se aposentar com apenas quatro anos, depois de uma séria lesão, e foi homenageado pelo JCB em 2018, com a criação de uma prova em seu nome. Veja suas características:

  • título — Tríplice Coroa Carioca em 2012;
  • jóquei — Jorge Ricardo;
  • país de origem — Brasil;
  • ano — 2008;
  • pais — Crimson Tide e Pleni Turbo.

No Regrets

Mais recente tríplice coroada do turfe brasileiro, a potranca No Regrets venceu com sobras a competição em 2017, em páreos reservados para animais de três anos. Confira a sua ficha técnica:

  • título — Tríplice Coroa Carioca em 2017;
  • jóquei — Wesley da Silva Cardoso;
  • país de origem — Brasil;
  • ano — 2013;
  • pais — Fluke e Buy Me Love (Jules).

Wando

Com 11 vitórias em 23 corridas, Wando foi o último cavalo a conquistar a Tríplice Coroa Canadense, em 2003. Aposentado em 2005, o cavalo morreu de ataque do coração em 2014. Confira mais detalhes:

  • título — Tríplice Coroa Canadense em 2003;
  • jóquei — Patrick Husbands;
  • país de origem — Canadá;
  • ano — 2000;
  • pais — Langfuhr e Kathie’s Colleen.

Criar um animal campeão da tríplice coroa na corrida é uma das tarefas mais árduas desse esporte, o que explica porque a conquista do título tem tanta importância. Nomes como Bal a Bali, que ainda adicionou uma vitória no Grande Prêmio Brasil ao seu currículo, são eternizados na história e se transformam em verdadeiras lendas do turfe.

E aí, gostou deste artigo? Veja também o que influencia no preço de um cavalo e conheça os equinos mais caros do mundo!

Compartilhe com seus amigos