Transporte de cavalos: você sabe como fazer?

transporte de cavalos

As competições esportivas equestres, assim como as exposições de animais e feiras agropecuárias, geram a necessidade de transporte de cavalos para os locais desses eventos. Para isso, no entanto, é necessário o cumprimento de algumas medidas, seja para a segurança da operação ou para saúde dos animais.

Na verdade, boa parte dos principais procedimentos para o transporte são compulsórios, isto é, obrigatórios por força da legislação. Conheça a importância desses cuidados e saiba como fazer!

Documentação necessária

Existe uma documentação necessária para o transporte de cavalos e que precisa ser providenciada. Alguns documentos são de abrangência nacional e obrigatoriedade para todos, enquanto outros variam em função das exigências de cada estado.

Guia de Trânsito Animal

Para o trânsito de cavalos é indispensável a obtenção da Guia de Trânsito Animal (GTA). Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), a guia é o documento oficial para transporte animal no Brasil com informações sobre a origem, o destino e outras consideradas essenciais.

A solicitação da GTA pelo interessado em transportar seus cavalos pode ser feita nos diversos órgãos estaduais de defesa sanitária animal. Ao mesmo tempo, o MAPA também habilita profissionais da iniciativa privada interessados na emissão da guia.

Por sua vez, vários estados já disponibilizam a alternativa de emissão da GTA online. Assim, de maneira geral, o site de cada Secretaria Estadual de Agricultura com o serviço disponível pode viabilizar a emissão.

De todo modo, a GTA é o principal documento para transporte de animais no Brasil. Outros documentos, no entanto, também são necessários, como os atestados de saúde.

Atestados de saúde animal

Uma das condições para a emissão da GTA é a demonstração das condições de saúde do animal. Assim, para algumas doenças que acometem os cavalos devem ser apresentados os atestados de vacinação ou de não ocorrência daquele mal. Esses documentos podem ser obrigatórios em alguns estados. Veja a seguir quais são essas doenças!

Anemia Infecciosa Equina

Anemia Infecciosa Equina (AIE) é uma grave doença que pode afetar tanto os cavalos como os demais equídeos. Por essa razão, o laudo de resultado negativo para o exame dessa doença é obrigatório para o transporte de cavalos em qualquer estado brasileiro.

Influenza Equina

Outro atestado que pode ser necessário para o trânsito de cavalos é o de vacinação ou de não ocorrência de Influenza Equina. Esse atestado é obrigatório quando o animal está sendo conduzido para participar de algum evento ou esporte equestre.

Mormo

Ainda com relação à saúde do animal, pode ser necessário o exame negativo para a doença Mormo que afeta os cavalos. É obrigatório para os estados brasileiros onde houver ocorrência da doença, principalmente se o cavalo estiver indo de um estado que tem a doença para outro que não.

Por sua vez, a recente Instrução Normativa MAPA No 6, de 16 de janeiro de 2018, torna dispensados do atestado os animais provenientes de zonas livres da doença.

Transporte adequado

Cavalos são animais muito sensíveis e, por esse motivo, as operações de transporte podem acabar se tornando um fator de estresse relevante. Assim, devem ser promovidos todos os esforços para que o animal seja afetado o menos possível. Até que chegue a aposentadoria do cavalo, o cuidado em evitar o estresse deve ser constante.

Nesse sentido, existem diversos aspectos que devem ser considerados para que se tenha o transporte mais adequado.

Meio de transporte

Em razão da distância que deva ser percorrida, é importante considerar o tipo de transporte que será utilizado. Assim, desde uma simples carreta até um avião poderá ser o transporte mais apropriado, dependendo de cada caso.

Condições do transporte

Qualquer que seja o meio, devem ser providenciadas as melhores condições de bem-estar e segurança para os animais. Para esse fim, devem ser levados em conta, entre outros:

  • o piso onde o animal ficará: precisa atender as previsões da recente Resolução CONTRAN No 675, de 21 de junho de 2017;
  • a temperatura de transporte: deve proteger os animais do excesso de calor e ter ventilação adequada;
  • água e alimento: devem estar disponíveis durante todo o percurso;
  • tempo máximo contínuo: paradas devem ser realizadas pelo menos a cada 6 horas de transporte para a circulação do animal;
  • verificação do estado de saúde: em cada parada.

Procedimentos antes do embarque e durante o trânsito

Algumas medidas devem ser tomadas antes do embarque. É importante dar atenção, entre outras, com vistas a:

  • evitar o desgaste físico do cavalo às vésperas do dia de transporte;
  • não expressar preocupação e nervosismo perto do cavalo;
  • ensinar o reconhecimento do transporte, entrando e saindo algumas vezes dias antes;
  • isolar o trailer a ser utilizado das temperaturas mais elevadas e procurar viajar nos períodos mais frescos;
  • prestar atenção às necessidades de permanente hidratação do cavalo.

Importância do preparo do animal

Quanto mais longo for o transporte do cavalo, melhor deverá ser o preparo para a viagem, em especial para o caso de competições como corridas de cavalos. Particularmente, se for a primeira experiência de trânsito do animal, certifique-se de que não seja traumática.

Assim, uma das primeiras iniciativas no preparo consiste em ir habituando o animal a entrar e sair do trailer ou do reboque. Isso faz com que o cavalo vá ganhando confiança e consiga permanecer mais tranquilo, principalmente quando se tratar de animais de elevada performance nos esportes.

Por sua vez, se optar por utilizar protetores de viagem, é importante garantir que o animal esteja adaptado a eles. Para isso, é importante ir acostumando o animal gradualmente com esses acessórios, principalmente aqueles utilizados para as partes inferiores das pernas.

Razões para todos esses cuidados

Os principais motivos para todos os cuidados exigidos com o transporte de cavalos residem, sobretudo, na preservação da saúde. Nesse sentido, as razões recaem sobre o próprio animal transportado, assim como no cuidado para que não haja contaminação de outros animais.

Cada estado regula o assunto por meio de suas leis. No entanto, de modo geral, o trânsito de cavalos sem a GTA ou a documentação exigida em uma determinada unidade da federação pode dar razão à aplicação de multas.

Além do prejuízo financeiro com essas penalidades, ocorrem ainda outras perdas que podem ser mais sérias. Nesse caso, quase sempre os animais devem retornar ao local de origem, não podendo prosseguir viagem.

Com isso você agora conhece os principais cuidados e iniciativas necessários para o transporte de cavalos.

Gostou do post? Assine nossa newsletter e saiba tudo o que você precisa sobre cavalos e os principais esportes equestres, como as corridas!



Compartilhe com seus amigos