Conheça os principais tipos de corrida de cavalo e saiba como funcionam

Conheça os principais tipos de corrida de cavalo e saiba como funcionam

Quando olhamos um esporte mais de perto, descobrimos um mundo à parte, com as suas próprias regras e história. Isso também acontece com o turfe, uma corrida que tem suas características próprias e diversas modalidades, que podem contar com diferentes tipos de cavalos.

Entrar no mundo do turfe pode ser um hobby para quem gosta de acompanhar esportes além da competição em si. Existem pistas em grama, sintético ou areia, em linha reta, oval, retangular, losango ou mista, raças de animais diferentes e uma porção de regras que garantem uma competição justa, em que realmente vence o melhor.

Quer descobrir mais sobre o mundo das corridas de cavalos? Neste post, você vai conhecer os principais tipos do Brasil e do mundo, além de aprender como apostar nelas. Acompanhe!

Quais são os principais tipos de corrida de cavalo no Brasil?

Apesar de o tipo mais comum no Brasil ser o galope, existem outras modalidades em que as apostas podem ser feitas. A seguir, descubra quais são as opções disponíveis.

Galope

Nessa modalidade — como já citado, a mais comum no Brasil — os cavalos são autorizados a correr a partir da liberação dos boxes e seu objetivo é chegar em primeiro lugar. Nas corridas da temporada clássica, que reúnem competições oficiais e grandes prêmios, essa modalidade pode ter desde 1.000 metros, quando são chamadas de sprints, até 2.400 metros.

Essas pistas podem ser ovais ou planas, onde os cavalos atingem cerca de 60 km/h. A corrida pode ser feita em pista de grama ou de areia. No Hipódromo da Gávea, no Rio de Janeiro, sede do Jockey Club Brasileiro, as corridas são desses dois tipos. Ali, a pista de grama principal tem 2.200 metros e a de areia, 2.040 metros.

Galope com obstáculos

Nas corridas em que o galope é feito com obstáculos, é possível acompanhar não só a aceleração dos animais, como também outras habilidades, como determinação, força e coordenação motora.

Essas corridas podem ser divididas em três tipos. Em um deles, há sete obstáculos, todos iguais. No outro, conhecido como steeplechase, os obstáculos são diferentes e, por fim, existe também o cross country, modalidade que traz obstáculos naturais para a pista, como arbustos e lagos artificiais.

Nesses tipos de corrida, as distâncias percorridas pelos cavalos são maiores que os tradicionais 2.400 metros do galope — elas nunca são inferiores a 3.200 metros e, por vezes, chegam a medir até 7.240 metros.

Trote atrelado

A principal diferença do trote para o galope está no movimento das pernas dos cavalos. Enquanto no galope, os pares se movimentam de forma paralela, no trote, as pernas que vão à frente são invertidas, formando um par diagonal.

Para ficar mais fácil de visualizar, pense na perna dianteira direita. No trote, ela vai à frente, junto à perna traseira esquerda. Enquanto isso, a perna direita traseira vai para trás, junto com a perna dianteira esquerda, em um movimento extremamente coordenado.

Depois de um momento de suspensão, no ar, o cavalo inverte as pernas. Esse tipo de passo do cavalo é chamado de dois tempos. Nele, os joelhos não ultrapassam uma linha imaginária que vai desde a cabeça do animal até o solo. Por isso, ele costuma ser conhecido pela sua extrema elegância.

O trote atrelado é um tipo de corrida em que o jóquei fica sentado em uma espécie de charrete, chamada de sulky, puxada pelo animal. Nessas corridas, que são mais comuns em hipódromos internacionais, o percurso da pista pode variar de 1.600 a 4.100 metros.

Trote montado

No trote montado, em vez de o jóquei correr em cima do sulky, ele vai sobre o cavalo. O interessante dessas duas modalidades é que elas têm um ritmo diferente das corridas a galope. No galope, a velocidade que os cavalos alcançam é maior. No trote, o destaque está no ritmo das passadas.

Que tipos de cavalos podem estar na competição?

Além dos diferentes tipos de corrida, o turfe abrange uma gama de raças de cavalos em suas competições. Os animais chamam a atenção pela sua habilidade, inteligência e beleza. Por isso, valem muito dinheiro — alguns deles chegam a custar milhões de dólares. Conheça os tipos de cavalos disponíveis.

Árabe

O mais antigo e precursor dos demais tipos de cavalo. Os registros dessa raça datam do século XX a.C. Com altura que varia entre 1,47 e 1,57 metro, o Árabe é usado para corridas, montaria, apresentações e também lazer.

Quarto de Milha

Descendente dos mustangues e trazida para a América pelos colonizadores espanhóis, essa raça é maior que as citadas anteriormente e chega a medir entre 1,52 e 1,62 metro, além de apresentar grande força muscular. Eles são muito utilizados para corridas, saltos de obstáculos, selas e lida de gato.

Andaluz

Também chamado de Puro Sangue Lusitano, essa raça é típica da região Sul da Península Ibérica, e é considerada a mais antiga da civilização ocidental. A altura dos cavalos Andaluz fica em torno de 1,57 metro e eles são usados para adestramentos, equitação e sela.

Trotador Francês

Uma das principais raças para corridas de trote, o Trotador Francês foi desenvolvido no século XIX, na França. Ele mede entre 1,54 e 1,57 metro e, entre suas características, estão a alta velocidade e a habilidade de saltar.

Puro Sangue Inglês

Esse é o principal tipo de cavalo usado nas corridas em todo o mundo. Originário da Inglaterra, por volta do século 17, essa raça é considerada a mais rara de todas. Com altura variando entre 1,62 e 1,67 metro, o cavalo Puro Sangue Inglês é muito corajoso e conta com um vigor físico notável.

Quais são os principais eventos no Brasil?

O esporte britânico chegou no Brasil no século XIX. No início, os proprietários dos cavalos é quem treinavam e corriam com os animais. Com o tempo, o turfe foi evoluindo até chegar ao nível de corridas que ocorrem hoje no país.

A seguir, listamos os Jockey Clubs brasileiros que se destacam entre os melhores e as informações mais importantes sobre eles, assim como eventos sediados. Veja só quais são eles!

Jockey Club Brasileiro

Localizado no Hipódromo da Gávea, no Rio de Janeiro, o Jockey Club Brasileiro foi fundado em 1932 e apresenta mais de 640 mil m² de área total, no qual ocorrem corridas de cavalos puro sangue inglês.

O Jockey carioca é o palco do mais tradicional evento de turfe do país. Ele sedia o GP Brasil, que é a maior corrida de cavalos do país. Ademais, outros eventos ocorrem todos os domingos no local e, periodicamente, aos sábados e segundas-feiras. Confira o calendário da Temporada Clássica de 2019.

O local conta ainda com um clube social, escola de profissionais do turfe, 8 restaurantes, galerias de arte e teatro. Aberto ao público para visitações, a sua entrada é gratuita.

Jockey Club de São Paulo

O Jockey Club de São Paulo fica localizado no Hipódromo de Cidade Jardim, em São Paulo, e foi fundado em 1875, inicialmente com o nome de “Club de Corridas Paulistano”.

O hipódromo sedia o GP São Paulo, que é a maior prova de turfe paulista. Outros eventos ocorrem todos os sábados. Conheça a Programação Clássica para 2019. A entrada é franca.

Jockey Club do Paraná

Na capital paranaense, fica o Hipódromo do Tarumã e o Jockey Club do Paraná, o segundo mais antigo do Brasil, fundado em 1873.

O principal evento sediado é o GP Turfe Paranaense. Outros eventos ocorrem a cada duas semanas, nas quintas-feiras, os quais são transferidos, eventualmente, para os domingos. Confira a Programação Oficial e Informativos com Montaria, os quais são atualizados periodicamente.

Aberto para visitação, a entrada e o estacionamento do Jockey Club do Paraná são gratuitos.

Jockey Club do Rio Grande do Sul

No Hipódromo do Cristal, em Porto Alegre, fica o Jockey Club do Rio Grande do Sul, fundado no ano de 1907.

Com corridas de cavalos em todas as sextas-feiras, você pode acompanhar os eventos ao vivo, pelo YouTube. Entre as corridas mais famosas, está o Grande Prêmio Bento Gonçalves. Confira o Calendário Semanal de eventos. A entrada e o estacionamento são gratuitos.

Quais são os tipos favoritos em outros países?

Países como EUA, França e Inglaterra têm uma tradição forte no turfe. Neles, existem variações dentro desses principais tipos de corridas, mas, no geral, o galope, galope com obstáculos, trote atrelado e trote montado também predominam.

Para que você não se perca com os termos estrangeiros, é importante ficar atento a alguns termos:

  • flat: são corridas que acontecem sem obstáculos, em superfícies planas ou com inclinações. Elas podem ser feitas em circuitos ovais, retangulares ou em losangos, ou ainda em linha reta. Esse tipo de corrida é mais comum no verão e na primavera;
  • jumping: são as corridas de saltos, também conhecidas como corridas de obstáculos. Elas podem ser divididas em dois tipos diferentes: a hurdle, com obstáculos normais e semelhantes entre si, e a steeplechase, com uma grande variedade de obstáculos, como saltos convencionais, lagos e outros. As corridas do tipo jumping são mais frequentes nos meses mais frios do ano.

Nos Estados Unidos, o estilo mais comum é o galope, assim como no Brasil. Por lá, essa modalidade tem as provas mais caras do mundo, como a Breeders’ Cup e Triple Crown. Além dessas, a Kentucky Derby, a Preakness Stakes e a Belmont Stakes são consideradas as corridas americanas mais famosas.

Diferentemente do Brasil, que tem um Código Nacional de Corridas, a legislação para o esporte nos Estados Unidos é regida por cada estado.

De acordo com dados do relatório anual da International Federation of Horseracing Authorities, entre os três melhores cavalos do mundo em 2016, dois eram americanos, ocupando o primeiro e segundo lugar: Arrogate e California Chrome.

Partindo para a Europa, a modalidade preferida dos ingleses e irlandeses é a steeplechase, conhecida como corrida de obstáculos.

Já na França, que tem cerca de 20 mil corridas por ano, o trote é bem mais comum, assim como na Bélgica. A modalidade é realizada em 50% das corridas. As principais corridas acontecem nos GP d’Amérique e no GP de Wallonie.

Como fazer as apostas?

Mesmo que o turfe tenha nascido como um esporte de nobres britânicos e tenha fama de pertencer à rotina de quem é da elite, é possível apostar com pouco dinheiro. Em alguns casos, você pode fazer a sua aposta desembolsando apenas R$2,00.

Mas, antes de definir o valor da aposta, é necessário entender o básico das apostas e como elas podem ser diferentes quando levamos em conta o tipo de corrida. No turfe, não é a sorte que manda, mas a dedicação do apostador em estudar os melhores tipos de cavalos e jóqueis, observando sempre seu histórico e descendência.

No fim das contas, o apostador tem que escolher um cavalo, mas tudo começa com a seleção do hipódromo, que vai definir os tipos de corrida disponíveis e as apostas. Mesmo que essas sejam parecidas, cada país apresenta seus próprios tipos.

Depois de escolher o hipódromo, é necessário optar por um páreo, que costuma fazer parte de um conjunto com cerca de dez corridas, chamado de reunião. Nesse momento, será indicado qual dos tipos de corrida de cavalo é aquela — se é um dos tipos de galope ou trote, por exemplo.

Dentro do páreo, você escolhe o cavalo e a modalidade de aposta. Para escolher um cavalo com sabedoria, é importante considerar alguns fatores: histórico do animal e do jóquei, descendência e valor do rateio, também conhecido como odd.

Esse valor é um número que informa se o animal está sendo muito ou pouco procurado pelos apostadores. Quanto maior o número, menos apostas o animal tem e, em princípio, menos chance de ganhar. Ele também funciona como um multiplicador, que resulta no valor que você receberá caso o cavalo seja o vencedor.

Se você deseja apostar em um cavalo que tem uma odd de 7.5, pode ganhar bastante dinheiro, porque o que você apostar será multiplicado por esse número.

Mas um número assim indica que esse cavalo não chama a atenção dos outros competidores. Se ele ganhar, pode ser considerado um azarão. Os cavalos favoritos geralmente têm um rateio entre 2 e 4. Por isso, é importante ficar atento e pensar bem antes de fazer uma aposta.

Com este post, você pôde conhecer um pouco mais sobre os diferentes tipos de cavalos e corridas e ver que o universo do turfe é gigantesco. Além das apostas, existem regras rígidas que os jóqueis e donos dos animais devem seguir corretamente, e modalidades, como o trote atrelado e as que dividem as corridas por raça, como acontece nos Estados Unidos.

O que achou deste conteúdo? Ele agregou informações úteis para você? Então, compartilhe-o nas redes sociais para que todos os seus contatos também descubram mais sobre as corridas de cavalos. Assim, você ajuda eles a conhecerem mais sobre o turfe. Até a próxima!

programa das corridas de cavalo


Compartilhe com seus amigos