Sob o reinado de Future Queen

Após a vitória no Grande Prêmio Marciano de Aguiar Moreira (GII), no domingo (11), Future Queen ratificou o pensamento de seu treinador Christiano Oliveira como a melhor representante da “Geração F” do poderoso Haras Santa Maria de Araras, o maior campo criatório do país.

Christiano Oliveira recebendo o troféu do GP Duque de Caxias

O treinador, que atravessa o melhor momento de sua carreira, trabalhando com exclusividade para Julio Bozano, conta para os leitores do Baliza 1, como se deu o amadurecimento de Future Queen, para sair do páreo de uma vitória até tornar-se múltipla vencedora de provas de Grupo:

Future Queen sempre foi tida em alta conta?

– Desde que cheguei ao Araras as informações sobre a Future Queen eram as melhores possíveis. Na época, ela possuía apenas uma vitória, mas pelo seu galopar e estilo, o aumento da distância lhe seria muito benéfico. Em seu reaparecimento vitorioso a Future Queen confirmou o esperado e venceu em boa lei.

Porém após essa vitória houve um imprevisto, né Chris?

– Sim, ainda na veterinária, no JCB, na hora de trocar o bridão pelo cabresto para que tomasse água, ela se soltou e acabou acidentando-se e não podendo participar em fevereiro da abertura da Tríplice Coroa – vencida por Fanciful, também treinada por Christiano. Quando reapareceu numa Prova Especial, não estava no último furo. No GP Diana (GI), segunda etapa da Tríplice Coroa, ela terminou em quinto, numa raia muito pesada.

O aumento da distância para a Future Queen parece muito bom, correto?

– Perfeito. Quanto mais distância melhor, a caixa torácica dela é excelente. No Zélia Gonzaga Peixoto de Castro, 3ª Etapa da Tríplice Coroa, eu tinha certeza da sua vitória e ela não decepcionou, coroando sua campanha com uma prova de Grupo I.

Em seguida, a corrida contra alguns dos melhores do país no GP São Paulo foi muito boa, não?

– Sim, em pouco menos de um mês (o páreo acima foi em 08/04 e o GP São Paulo em 06/05) levei-a a Cidade Jardim e ela finalizou na quarta posição do Grande Prêmio São Paulo, a segunda prova mais importante do país, participando bem do páreo e dando pinta de que poderia lutar pela vitória.”

A Future Queen não correu na semana do GP Brasil. Foi um descanso ou algum tipo de problema?

“Ela fez uma péssima viagem de volta de Cidade Jardim. Como correu três provas de GI em pouco mais de dois meses, optei por dar-lhe um descanso. Em julho tiramos terceiro no GP Onze de Julho (GII) e agora essas duas vitórias, uma no GP Duque de Caxias (GII) e essa no GP Marciano de Aguiar Moreira (GII).

E para frente, já tem uma nova carreira no foco?

– Sim, em dezembro tem o Meeting de Final de Ano e ela vai correr o GP Osvaldo Aranha (GII), em 2.400 metros. Espero que possa terminar 2018 com mais uma vitória em GII.

As três irmãs: Electora (E), Future Queen (C) e Get Shorty (D)

Você tem uma irmã inteira da Future Queen em campanha. Faz jus ao sangue?

– Totalmente. A Get Shorty, que ganhou no último sábado (10) é muito corredora e com certeza vocês irão ver seus nomes nas principais provas do calendário em 2019. A Electora, a outra irmã inteira da Future Queen, também era muito corredora e a Get Shorty vai pelo mesmo caminho. Espero que com tamanho sucesso como suas irmãs mais velhas.

Texto: André Cunha

Imagens: Sylvio Rondinelli



Compartilhe com seus amigos