Quando desistir não é opção

Noé Roberto dos Santos foi 2º Gerente de Antônio Luiz Cintra e Sergio Dornelles, em Campinas e Porto Feliz, passou uma temporada com Lucas Quintana, no Jockey Club de São Paulo, e voltou a trabalhar com o Tolu, que lhe deu a primeira oportunidade como treinador.

O popular Bosa fala com orgulho deste momento:

“Tive a oportunidade de aprender com ótimos profissionais antes de seguir minha carreira solo. Sou muito grato a todos eles e também ao titular do Stud Barreiro, Dr. Simões e o saudoso Max Perlmann, que me proporcionaram poder tirar a matrícula e ter meus primeiros cavalos para treinar.

Neste tempo com o Tolú, além de toda experiência na cocheira, tive a oportunidade de ir a Dubai e ver nosso Heart Alone (foto ao lado), o cavalo que eu mais gosto em toda minha passagem pelo turfe, ganhar uma das provas do Carnival. Essa é uma emoção que eu nunca esquecerei.

Desde que cheguei à Gávea tenho no Dr. Christian Schlegel um amigo e enorme incentivador. A vida te entrega pessoas maravilhosas e sou agradecido por tê-las colocado em meu caminho. Sou e serei sempre muito grato.”

Com apenas 12 cavalos, todos treinados no Hipódromo da Gávea e alojados em sua cocheira na Vila Lagoa, Noé conseguiu ótimas 21 vitórias no concorridíssimo turfe carioca, ocupando a 25ª posição na tabela de classificação.

E essa marca está perto da sua meta estabelecida:

“Coloquei em julho do ano passado que teria de ganhar 24 provas neste ano hípico, numa média de duas por mês. Tenho algumas inscrições para a próxima semana e estou confiante em alcançar mais este objetivo.

Não é fácil ganhar corrida na Gávea, mas nada veio simples na minha vida. Sou um lutador, um obstinado. Esmorecer ou retroceder não são opções, vou continuar meu caminho e vencer.”

É por personagens como Noé, que o turfe escreve suas histórias também fora das pistas.

Ver o brilho em seu olhar ao falar sobre seus 12 cavalos e descobrir que é o mesmo de quando ele recordou Quari Bravo – o cavalo que ele mais admira na história do esporte -, mostra o quão especial é este gaúcho de Palmeira das Missões.

Sujeito de fala doce, sempre com um sorriso no rosto Noé carrega consigo a disposição de seguir em frente, sem desistir jamais.

Texto: Thiago Guedes

Imagens: Arquivo JCB e Internet



Compartilhe com seus amigos