A majestade, o puro sangue inglês: conheça mais sobre essa raça

puro sangue inglês

Velocidade nas pernas, postura imponente e uma personalidade destemida. Esse é o puro sangue inglês, uma das raças de cavalos mais famosas do mundo. Como seu rendimento nos esportes é muito bom, esses animais praticamente dominaram as pistas de turfe desde que a raça foi criada na Inglaterra, entre os séculos XVII e XVIII.

Em termos simples, uma raça é um grupo de animais de uma mesma espécie que têm características físicas, aparência e fisiologia parecidas. Isso só é possível porque qualquer animal herda essas qualidades dos seus pais.

Não é só com cavalos que podemos criar raças. Elas podem ser feitas em diversas espécies de animais. Isso acontece quando escolhemos alguns indivíduos com determinadas características e organizamos o cruzamento. Além da aparência e da fisiologia, eles também herdam o temperamento dos seus antepassados.

Neste artigo, você vai conhecer a origem do puro sangue inglês, descobrir suas principais características e como eles são utilizados nos esportes. Confira!

Qual é a origem do puro sangue inglês?

Se você gosta de turfe, deve saber que o esporte nasceu na Inglaterra do século XVII. Na época, era um hobby da nobreza do país criar cavalos e realizar corridas para eles. Apesar de muito antigo, o turfe, como conhecemos hoje, foi criado no século XIX.

O interesse pelo esporte era tão grande que os criadores desejavam sempre cavalos mais rápidos. Por isso, “importavam” animais de outras partes do mundo e cruzavam com aqueles que eram da Inglaterra para alcançar bons resultados nas corridas.

Apesar de haver cavalos vindo de diversos locais do mundo, que eram dados de presente à nobreza, a origem do puro sangue inglês pode ser definida pelo cruzamento de 3 garanhões árabes com éguas inglesas.

Eles são conhecidos como os antepassados de todo puro sangue inglês. Cada um recebeu o nome de seus proprietários e foram batizados de Godolphin Barb, Darley Arabian e Byerly Turk. Eles foram importados entre 1689 e 1728.

O primeiro dos antepassados da raça a chegar à ilha inglesa foi Byerly Turk, levado da Turquia para a Inglaterra, em 1680. O animal era negro e foi registrado em uma pintura famosa, pelo artista John Wootton.

O Darley Arabian foi adquirido por Thomas Darley em 1712, na Síria, e levado para o Reino Unido como presente para seu pai. Apesar de nunca ter corrido, o animal manteve-se como reprodutor durante toda sua vida. Um dos seus bisnetos mais conhecidos é o cavalo Eclipse, que nunca perdeu uma corrida.

O Goldophin Barb foi o último dos animais levados para a Inglaterra. Antes de ir para o país, ele fez parte da cavalaria real do rei francês Luís XIV e chegou a servir como cavalo de trabalho. Quando foi comprado e levado para Londres, para a coleção de lorde Godolphin, o animal deveria servir para identificar éguas que estavam no cio, para outros garanhões reprodutores, mas acabou tornando-se ele mesmo um reprodutor.

Os três animais deixaram descendentes que foram imbatíveis em corridas, como os cavalos Matchen e Herod, além de Eclipse.

Apesar de, em certa parte, esses cavalos receberem os créditos pela qualidade do puro sangue inglês, é importante lembrar que há estudos que apontam que o gene da velocidade é passado pelas mães.

Quais são as suas principais características?

Um puro sangue inglês tem algumas características bastante próprias. Eles são considerados mais leves que outras raças, com cerca de 500 kg, o que também é responsável pela sua desenvoltura nas corridas. Com essa pesagem leve, eles ganham uma aparência elegante muito apreciada.

Além da comprovação da descendência, um puro sangue inglês deve ter uma das quatros cores permitidas: castanho, alazão, tordilho e preto.

A altura do animal costuma ficar entre 165 e 170 centímetros, sendo considerado alto. As outras características dos animais são os olhos e narinas grandes, o pescoço comprido, o dorso reto e o rabo elegante, com bastante pelo.

Quanto à sua personalidade, o puro sangue inglês é conhecido pelo seu temperamento corajoso e um pouco rebelde. Por isso, ele precisa ser bem domado por treinadores experientes na raça antes de ser montado. Apesar de criarem alguns desafios para os treinadores, essas características do animal são consideradas vantagens. Afinal, em corridas com obstáculos, eles não têm problemas em encará-los.

No turfe, as principais corridas são de trote ou galope, com obstáculos ou não. Apesar de pouco comuns no Brasil, também existem aquelas que são de trote atrelado. Nesse tipo, o jockey fica dentro de uma espécie de charrete, conhecida como sulky, puxada pelo cavalo, que é de outra raça: a trotador.

Entre os cavalos mais competidores do mundo, a raça se destaca, mas, além dela, o quarto-de-milha americano também tem uma boa reputação e alta performance. Assim como o puro sangue inglês, ele também tem sua descendência em cavalos árabes.

Quais países têm as maiores criações da raça?

De acordo com a organização The Jockey Club, responsável por verificar a descendência do puro sangue inglês nos Estados Unidos, 10 países são responsáveis pela criação de cerca de 87% dos animais da raça no mundo.

Os Estados Unidos representam o maior país produtor, seguidos por Austrália, Irlanda e Argentina. Anualmente, são produzidos cerca de 100 mil cavalos puro sangue.

Apesar de ser o berço da raça, a Inglaterra, hoje, é o sexto produtor mundial, ficando atrás dos países citados e do Japão.

Em quais esportes eles são usados?

Apesar de serem conhecidos pela velocidade, o puro sangue inglês também é utilizado em modalidades esportivas diferentes das corridas. Eles fazem parte de concursos de equitação e esporte, como salto, conhecido também como hipismo e pólo.

Da próxima vez que você for a um hipódromo, assistir a uma corrida na TV ou checar os vencedores de uma reunião na Internet, saberá que boa parte daqueles bons resultados só é possível por causa da genética. Os especialistas de cavalos apontam que ela é responsável por cerca de ⅓ do desempenho do animal. O restante tem a ver com a criação, o treinamento e a qualidade do tratamento (boa alimentação, descanso etc).

Agora, você já conhece mais sobre a história do puro sangue inglês, uma raça que é considerada a verdadeira realeza dos cavalos. Ela é resultado de um esforço para encontrar as melhores características e combinações com o cruzamento de cavalos orientais levados para o Reino Unido séculos atrás!

Gostou de conhecer mais sobre o puro sangue inglês? Compartilhe este artigo nas redes sociais!

Compartilhe com seus amigos