Grandes craques invictos

No mundo do turfe, temos grandes craques, mas alguns são diferenciados: os animais invictos. E para mostrar alguns deles, separei por categoria:

Chefes de raça invictos:

– St. Simon (Galopin e St Angela por Rei Tom)

Animal britânico nascido em 1881, teve 10 atuações e 10 vitórias. Venceu provas importantes como Ascot Gold Cup, Goodwood Cup e Epsom Gold Cup. Criado pelo Príncipe Gustavus Batthyany, foi de propriedade do Duque de Portland e contou com o treinamento de Mathew Dawson. Além de ter sido craque nas pistas, St. Simon deixou uma linhagem das mais importantes de todos os tempos, já que diversos campeões e grandes nomes da reprodução descendem dele.

 

– The Tetrarch (Roi Herode e Vahren por Bona Vista)

Nascido em 1911, foi um animal britânico tordilho que venceu sete corridas em sete atuações, todas aos dois anos de idade e sempre em distâncias curtas (até 1200 m). Se aposentou antes de completar três anos, devido a uma séria contusão. Mesmo assim, foi um grande campeão, porque venceu provas importantes como a National Breeders Produce Stakes,  a Champgne Stakes,  a Woodcote Stakes, a Convetry Stakes, entre outras. Criado por Edward Kennedy, treinado por Atty Persse e de propriedade de Dermot McCalmont, correu apenas distâncias pequenas, devido a aposentadoria precoce, mas produziu campeões de 1000 m até 3000 m, revelando também que sua linhagem era incrível e diferenciada.

 

– Nearco (Pharos e Nogara por Havresac II)

Nascido em 1935, foi um cavalo italiano criado por Federico Tesio, que também era seu proprietário e treinador. Animal castanho e de um porte invejável, fez valer seu físico nas pistas. Ficou invicto em 14 corridas, nas distâncias de 1000 m até 3000 m, vencendo páreos muito importantes como o Derby Italiano, o GP de Milão, o GP da Itália, o GP de Paris, entre outros. Após sua perfeita campanha, foi vendido por um valor recorde e ficou na Inglaterra, onde se tornou o patriarca de vários reprodutores mais dominantes na história do puro sangue, como Neartic e Nasrullah.

 

 

– Ribot(Tenerani e Bellini por Romanella)

Federico Tesio, criador considerado um gênio, foi o responsável por mais um campeão: o britânico Ribot, de 1952. De propriedade de Lydia Tesio/Mario de La Rochetta, foi treinado por Ugo Penco e seu jóquei era Enrico Camici. O castanho venceu tudo que disputou.  No total, foram 16 corridas e 16 vitórias nas distâncias de 1000 m até 3000 m, em todas condições de pistas, em três países diferentes (Itália, Inglaterra e França). Ganhou as provas mais importantes da Europa, sendo bicampeão do Arco do Triunfo (1955/1956), vencedor do King George VI and Queen Elizabeth Stakes (1956), entre outras provas importantes.

Ele simplesmente foi um “assombro” , um cavalo de exceção. Além de ter vencido tudo que correu, na reprodução, foi líder das estatísticas na Inglaterra e Irlanda, produzindo ganhadores do Arco do Triunfo, Derby Irlandês e outras provas de destaque. Nos Estados Unidos, também gerou grandes nomes que venceram os principais páreos como Preakness Stakes, Belmont Stakes e Kentucky Derby. Foi um animal fenomenal nas pistas; talvez o melhor de todos os tempos.

 

– Raise A Native (Native Dancer e Rase You por Case Ace)

Foi criado na Happy Hill Farm em 1961. Era de propriedade de Sra Eh Augustu/Louis Wolfson e treinado por Burley Parke. Animal que teve quatro vitórias em quatro saídas, incluindo o Belmont Juvenile e o Great American Stakes. Parou após essas conquistas, devido a um problema no tendão. Seguiu como reprodutor, e foi também um fenômeno, produzindo nomes como: Mr.Prospector, Alydar, Majestic Prince e Exclusive Native, que é pai do nosso líder dos avôs maternos, Roi Normand. Com muita classe, Raise A Native tem em seu currículo, como reprodutor, 74 “winners stakes”.  Em seu obituário, em 1988, o famoso jornal The New York Times o chamou de “o pai de garanhões mais influente dos últimos 20 anos”, se tornando um dos nomes mais fortes do mundo do PSI.

 

– Danzig(Northern Dancer e Pas de Nom por Admiral’s Voyage)

Nascido em 1977, nos EUA, na fazenda da Derry Meeting Farm & William S. Farish III, de propriedade de Henryk de Kwiatkowski e treinado por Woddy Stephens, foi um cavalo que nas pistas teve três atuações e três vitórias, mas sua campanha perfeita foi interrompida precocemente por um problema no joelho. Em seguida foi para a reprodução, na conhecida Claiborne Farm e se tornou um dos garanhões mais importantes do mundo. Seus filhos ganharam cerca de 100 milhões de dólares em campanha, incluindo grandes nomes como: Chief’s Crown, Lure, War Chant, Dance Smartly, Danehill, Pinne Bluf, US Ranger, War Front, Green Desert (pai de outros grandes craques) e também campeões europeus como, Anabaa e Dayjur (pai de Eyjur, que produziu bons animais no Brasil). Danzig, considerado o reprodutor mais importante da segunda metade do século XX, foi ainda pai de garanhões que serviram no nosso país: Burooj, White Clover, entre outros.

 

Na categoria éguas invictas:

– Black Caviar(Bel Spirit e Helsinge por Desert Sun)

O que falar dessa craque simplesmente um “monstro” de correr! A égua mais importante da Austrália e talvez do mundo de todos os tempos, foi invicta em 25 corridas. Considerada um dos maiores fenômenos da distância curta, nasceu no dia 18 de agosto de 2006, na fazenda de Gilgai em Nagambie, Victoria. Ela cresceu na propriedade da Goulburn River. Logo em seguida, foi levada para Swettenham Stud, em uma preparação de um ano e dez meses, onde ela foi vendida em nome de Rick Jamieson para Peter Moody (seu treinador) por 210 mil dólares. Os titulares da craque eram GJ Wilkie, KJ Wilkie, Werrett Blooddstock Pty Ltd, CH Madden, J Madden, PA Hawkes, DM Taylor e J Taylor. Ela, além de vencer 15 provas de Grupo 1, incluindo a mais importante Diamond jubilee Stakes, também obteve vários prêmios como Cavalo do Ano de 2013, World Champion Sprinter em 2010, 2011, 2012, 2013, e foi o melhor animal da Austrália nos anos 2011, 2012 e 2013. Além dessas conquistas, ganhou também como melhor Champion Sprinter da Europa em 2012, somando 7 milhões 953 mil dólares em sua trajetória perfeita. Após sua retirada das pistas, recebeu uma homenagem do escultor Mitch Mitchell, que fez uma estátua de bronze em tamanho real, na cidade onde nasceu, Nagambie.

 

Zarkava (Zamindar e Zarkasha por Kahyasi)

Nasceu no ano de 2005 na Irlanda e foi criada pela tradicionalíssima farda, do HH Aga Khan IV, que também era seu proprietário. A craque começou sua campanha aos dois anos, sob treinamento de Alan de Royer-dupre e direção do jóquei contratado da farda Christophe Soumillon, vencendo na estreia um páreo de turma de forma tranquila. Na sequência, ganhou cinco provas de Grupo 1 e uma de Grupo 3 e chegou a conquistar, simplesmente, o Arco do Triunfo, prova mais importante de toda Europa. Zarkava ficou invicta em sete atuações, superando grandes nomes como Goldikova, Youmzain e Soldier Of Fortune. A soma de suas vitórias chegou a 3,3 milhões de Euros. A campeã ainda recebeu o Prêmio Cavalo Europeu do Ano de 2008. Já na reprodução, produziu poucos animais, mas com muita qualidade, como o vencedor de Grupo 1 Zarak, um filho de Dubawi, também de propriedade do H.H Aga Khan.

 

– Personal Ensign (Private Account e Grecian Banner Hoist The Flag)

Nasceu nos Estados Unidos em 1984. Foi de criação e propriedade da Ogden Phipps e seu treinador era Claude R. McGaughey III. Nos anos de 1986 até 1988, ela venceu 13 provas em 13 saídas, sendo oito provas de Grupo 1, sempre na pista de areia, nas distâncias de 1400 m até 2000 m. Destaque para Whitney Handicap (G1), que superou Gulch (grande cavalo e ótimo reprodutor) e para Breeders Cup Distaff (G1), somando 1 milhão 679 mil dólares. Após sua retirada das pistas, foi uma craque na reprodução, produzindo grandes nomes como My Flag (Easy Goer) que somou $1.557,057, Miners Mark (Mr.Prospector) $967,179, Traditionally (Mr.Prospector) $495,660 e o nosso conhecido Our Emblem (Mr.Prospector) $366,000, garanhão que cobriu no Brasil e deixou bons animais como Sal Grosso(GP São Paulo 2010), entre outros.

 

Na categoria cavalos invictos:

– Frankel (Galileo e Kind por Danehill)

Nascido na inglaterra em 2008, animal de propriedade e criação da tradicional farda da Juddmonte Farms, foi treinado por Henry Cecil e seu jóquei era Tom Queally. O castanho de quatro patas brancas venceu 14 provas das 14 disputadas, se tornando uma das maiores lendas dos últimos tempos. Ele somou dez provas de Grupo 1, uma de Grupo 2 e uma de Grupo 3. Sempre na pista de grama e nas distâncias de 1600 m até 2100 m, era um milheiro alongado. E pra quem viu suas corridas, percebeu o tamanho de sua categoria, pois quase sempre “massacrava” seus adversários. O cavalo diferenciado, chegou a somar 3 milhões de euros na sua campanha, incluindo o English 2000 Guineas (G1), Queen Elizabeth II Stakes (G1), Juddmonte international (G1). Já na reprodução, na sua primeira temporada, Frankel cobriu 133 éguas e 126 foram emprenhadas, tendo uma taxa de fertilidade de 95%. Os filhos dessa primeira geração já tiveram vitórias, inclusive em provas de Grupo 3 e colocações em Grupo 1. Destaque para Cracksman 2° e 3° em Grupo 1 e duas vitórias aos 3 anos.

 

Lammtarra ( Nijinski II e Snow Bride por Blushing Groom)

Nascido nos EUA em 1992, foi criado pela Gainsborough Farms, de propriedade de Saeed Bin Maktoum al Maktoum, treinado por Alex Scott(1994) e Saeer Bin Suroor(1995). Ele possui quatro atuações e quatro vitórias sendo três provas de Grupo 1, inclusive os importantes Epsom Derby (G1), King George VI & Queen Elizabeth Diamond Stakes (G1) e GP Arco do Triunfo (G1). Após sua bela campanha, foi para reprodução na Inglaterra, onde teve apenas uma geração e logo foi vendido para o Japão por 30 milhões de dólares. Lá não teve bons resultados, dando apenas animais de Grupo 3. Mesmo não sendo um excelente reprodutor, suas filhas foram muito procuradas para a reprodução, devido a sua linhagem maravilhosa.

 

– Candy Ride ( Ride The Rails e Candy Girl por Candy Stripes)

Cavalo de 1999 nascido na Argentina, no início de sua carreira fez sua campanha em 1200 na pista de areia, onde venceu facilmente um páreo de turma na Argentina. Na sequência, foi correr o GP San Isidro (G1) 1600 na pista de grama, e ganhou de novo. Na sua última atuação na Argentina, competiu em mais uma prova de Grupo 1 em 1600 m na grama e assinalou a marca de 1.31.01, carimbando o seu passaporte para os EUA. Já em terras americanas, fez sua estreia num Allowance 1700 m areia, onde triunfou novamente. A segunda carreira foi num Grupo 2 (American Handicap) na pista de grama em 1800 m, e em sua última atuação, venceu um Grupo 1 o GP Pacific Classic em 2000 m pista de areia, pra cima do excelente Medaglia D’oro. Terminou sua trajetória invejável com seis vitórias em seis saídas, em todo tipo de raia e em dois países diferentes. Na reprodução produziu também excelentes competidores como Gun Runner (G1), Shared Belief (G1), Sidney’s Candy (G1), entre outros bons animais.

 

Vindication (Seattle Slew e Strawberry Reason por Strawberry Road)


Cavalo americano criado na Payson Stud Inc, treinado pela lenda Bob Baffert, obteve quatro vitórias em quatro saídas, todas na pista de areia, sendo duas em provas de Grupo. Uma foi a Kentucky Cup Juvenile (G3) e a mais importante foi a Breeders Cup Juvenile (G1).  O animal, que somou 680 mil dólares na sua breve campanha, na reprodução produziu filhos ganhadores de Grupo 2 e Grupo 3.

 

Teofilo (Galileo e Speirbhean por Danehill)


Nascido na Irlanda, foi criado pelo seu proprietário e treinador Jim Bolger. Teve cinco vitórias em cinco corridas, sendo três provas de Grupo e duas na turma. O castanho, filho do Galileo e neto de Danehill, mesma linhagem de Frankel, foi também um campeão nas pistas, vencendo provas de Grupo 1 na Irlanda e Inglaterra, todas em 1400 m pista de grama. O animal somou 349 mil euros em prêmios. Já na reprodução, produziu bons animais na pista de grama que venceram provas de grupo na Austrália, Irlanda e França.

 

Na categoria invictos nacionais:

 

Itajara (Felício e Apple Honey por Falkland) 
Nascido no Brasil em 1983, foi invicto em campanha perfeita, tendo sete atuações e sete fáceis vitórias. Venceu desde 1100 m na pista de areia até 3000 m na pista de grama. Cavalo considerado por muitos o melhor animal brasileiro de todos os tempos, foi com certeza um grande craque! Em suas principais conquistas, destaque para os páreos da Tríplice Coroa, o GP Estado do Rio de Janeiro (G1), o GP Francisco Eduardo de Paula Machado (G1), o GP Cruzeiro do Sul (G1) e sua última corrida, que foi no GP Jockey Club Brasileiro. Além de ser essa “fera” na pista, foi também um bom reprodutor. Teve como principais animais Siphon e Romarin, que também são bons reprodutores.
 
 
Val De Grace (Clackson e In Passion por Hang Ten) 
Animal de 1991, criado no Brasil pelo Haras Nacional, foi uma máquina nas pistas onde venceu, desde
1300 m na pista de areia até 2400 m na grama, inclusive onde venceu o GP Oswaldo Aranha (G1) e o
GP São Paulo(G1) no ano de 1995, somando seis vitórias em seis atuações. Mesmo não sendo um animal muito requisitado, foi também bem útil na reprodução.
 
 
Na categoria invictos em atividade, o destaque é para o Sprinter:
 
Caravaggio (Scat Daddy e Mekko Hokte por Holy Bull)
Animal tordilho escuro de um porte invejável, é de propriedade da Coolmore, treinamento do multicampeão Aidan P. O’ Brien. Caravaggio vem se mantendo invicto em seis saídas, sempre na pista de grama e na curta. Já venceu uma prova de Grupo 3, uma de Grupo 2 e duas de Grupo 1 em dois países, Irlanda e Inglaterra. E pelo que tem mostrado, será difícil ser derrotado.
 
 No Brasil, nosso destaque para o invicto em atividade é o castanho:
 
– High Chris (Christine’s Outlaw e High Castle por Inexplicable)

Por Gerson Martins

 Criado no Haras Cruz de Pedra o potro de propriedade do Stud Quintella, tem três saídas e três vitórias. Destaque para o Clássico Breno Caldas(L). Mostrando muita categoria desde sua estreia, é um potro que deve seguir dando muitas alegrias aos seus responsáveis.  Ele é treinado por L.R.Feltran e conduzido por Carlos Lavor.

 
 
 
Lembrando a todo público do blog baliza 1 que tivemos outros invictos, mas destacamos alguns dos mais conhecidos.  Os animais que foram invictos no Brasil e perderam lá fora não foram citados, como por exemplo: Heliaco, Emerald Hill, Siphon, Clausen Export, Zardana, Old Dodge, Durban Thunder, entre outros.  
Se você lembrou de algum craque invicto, tanto nacional quanto internacional, marque o seu nome nos comentários.
Assista aqui uma das vitórias de Grupo 1 do craque Frankel
 

Black Caviar vencendo a Diamond Jubile Stakes na prova de Grupo 1 (Inglaterra)

Compartilhe com seus amigos

24 comentários “Grandes craques invictos

  1. Material é ouro puro. Muito bem produzido. À lista dos nacionais, acrescentaria o Soberbo, invicto em seis atuações em CJ, em meados dos anos 1990. Na final da Taça de Prata, fez um duelo memorável com o Romarin. Na reprodução, com menos de 100 filhos, o Soberbo (Restless Jet na Lark Luciana), deu três produtos de alto nível: Fui, Private Party e o Fort Bird, ganhador do GP Paraná.

  2. Show de postagem.Nota 10 com louvor!Excelente texto,ideia super importante pois me fez remontar ao meu pai,apaixonado que era não só pelos citados Nearco e Ribot como tb pela criação do Federico Tesio.Parabens,você me emocionou.

  3. Precisamos de mais informações como essas, onde os apaixonados pelo esporte ficam delirando, querendo ter visto todos essas craques !

  4. Parabéns Lucas Eller, bela matéria com uma pesquisa muito interessante, revelando para nós os amantes deste esporte dos Reis, os grandes ganhadores e chefes de raça de todos os tempos, adorei!!!

  5. Matéria maravilhosa para os amantes do turfe, parabéns grande Lucas, você é realmente um expert no assunto.
    Vendo o replay da corrida da Black Caviar o jóquei bancou a corrida e quase põe fora, é de matar do coração.

  6. Parabéns pela excelente e atual matéria ,não me lembro de ao longo desses anos ter lido algo taogratificante.pode comemorar com a sua equipe.aqualidade da matéria nos deixa orgulhosos desta nova geração do turfe.

  7. Sem dúvida uma matéria que todo bom turfista tem prazer em ler.
    Parabéns ao Lucas pelo escolha e também pela qualidade do texto.

  8. Meu caro Lucas

    Fico muito satisfeito que Jovens como Você se interessem, também, pelo CAVALO DE CORRIDA e não apenas pela CORRIDA DE CAVALO!
    Excelente Matéria, com muito bom nível de detalhes!
    Como sugestão, sobretudo no Turfe brasileiro, aponto para a possibilidade de dar continuidade a este Assunto de Fundamental Importância para a HISTÓRIA do Turfe no Brasil, muito esquecida e desprezada, revelando alguns PSI que, embora não tenham sido INVICTOS, chegaram a ser melhores que alguns dos INVICTOS, como GAUDEAMUS, FAREWELL, ESCORIAL, EMERSON, VIZIANE, ESCORIAL, CACIQUE NEGRO, apenas para citar alguns!
    Se eu puder ser útil para o Amigo nesta empreitada, pode contar comigo!
    Meus PARABÉNS!!!
    Orlando Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *