Grand Prix D´Amerique, o GP Brasil do trote

Criado por nobres ingleses durante o século XVIII, o turfe, hoje, é um esporte que se espalhou pelo mundo. Países como Estados Unidos e França, além da própria Inglaterra, têm legiões de fãs e apostadores. Por esses lugares, o esporte é muito popular.

Grand Prix D´Amerique

Os franceses gostam tanto do turfe que o país é conhecido por suas mais de 11 mil corridas anuais na modalidade de trote, que é a mais popular, incluindo o Grand Prix d’Amérique.

Todo início de ano, os fãs de turfe ficam ansiosos para assistir a uma dessas corridas, das mais famosas do mundo. O Grand Prix d’Amérique acontece no hipódromo de Vincennes, nos arredores de Paris, tem quase cem anos e reúne os melhores cavalos europeus em uma disputa emocionante de trote atrelado, com um prêmio no valor de 900 mil euros em 2019.

Veja a seguir por que o Grand Prix é tão esperado no calendário de corridas internacionais e conheça mais sobre o trote atrelado.

Por que o Grand Prix d’Amérique é mundialmente conhecido?

Criado em 1920 como uma forma de homenagear os Estados Unidos, que ajudaram a França durante a Primeira Guerra Mundial, a corrida faz parte das três maiores provas de trote da Europa, junto do Elitloppet, na Suécia, e do Hambletonian Stakes, nos Estados Unidos.

Como, na França, a preferência de estilo é pelo trote, essa é a modalidade da corrida, com o diferencial de ser o trote atrelado. Na corrida, 18 cavalos disputam o grande prêmio, em uma pista de 2.700 m.

O prêmio é tão famoso que atrai cerca de 40 mil pessoas ao hipódromo todos os anos. A soma das apostas chega a 40 milhões de euros, sendo transmitido em 36 países. Outro número que demonstra o sucesso da corrida é o total de jornalistas credenciados para fazer a cobertura da prova: são 500!

O Prix d’Amérique, que é a prova mais famosa, é relativamente curto. Dura poucos minutos. Além dela, o hipódromo de Vincennes recebe diversas outras atividades durante o dia. Em 2019, haverá apresentações com cavalos, desfile com os concorrentes e 10 corridas secundárias com outros cavalos.

Para se classificar entre os corredores, cavalo e jóquei precisam passar por uma das seis provas classificatórias nos meses anteriores ao Grand Prix d’Amérique:

  • Grand Prix de Bretagne;
  • Grand Prix du Bourbonnais;
  • Critérium Continental;
  • Prix Tenor de Baune;
  • Grand Prix de Bourgogne;
  • Grand Prix de Belgique.

Elas são corridas internacionais que acontecem na própria França, apesar dos nomes em homenagem a outros países, com exceção da Critérium Continental, que é europeia.

A primeira delas, o Grand Prix de Bretagne, abre a temporada de corridas classificatórias em novembro. Os cavalos que ficarem nas três primeiras posições em três dessas corridas são classificados para o d’Amérique. Isso só não acontece na Critérium Continental e no Prix Tenor de Baune. Nessas corridas, apenas os vencedores são classificados.

Como o prêmio é muito tradicional, tendo sido criado em 1920, não faltam algumas curiosidades históricas. O cavalo Ourasi, da raça trotador francês, é o recordista do prêmio. Ele ganhou quatro vezes: em 1986, 1987, 1988 e 1990.

Entretanto, o sucesso do jóquei também deve ser reconhecido. Jean-René Gougeon ganhou o Grand Prix d’Amérique oito vezes, ficando conhecido como o papa de Vincennes.

Desde que foi criado, apenas uma mulher venceu a corrida. Helen Johansson ganhou o prêmio em 1995.

Quais as diferenças entre o trote atrelado e outras modalidades?

No Brasil, o tipo de corrida mais comum é o galope, mas, como já vimos, a França é um exemplo de país onde o turfe faz tanto sucesso que outros tipos, como o trote, também têm espaço.

A principal diferença entre o trote e o galope está no modo como os passos dos cavalos são feitos. No galope, a corrida do cavalo é feita livremente, o que faz com que as pernas da frente avancem em paralelo. As duas dianteiras dão o salto, seguidas das duas traseiras.

Já no caso do trote, isso ocorre de forma transversal. A perna esquerda dianteira avança junto da direita traseira e vice-versa. Assim são os tipos de corridas de trote e galope tradicionais.

O galope pode ser plano ou com obstáculos. No galope com obstáculos, o percurso até a linha de chegada pode ter obstáculos artificiais, como os feitos de plásticos, ou naturais, como arbustos e lagos. No plano, o caminho fica livre para o cavalo correr.

O trote também tem duas categorias: o montado e o atrelado. No atrelado, que é o tipo de corrida de cavalo utilizada no Grand Prix d’Amérique, o jóquei é puxado pelo cavalo de dentro de uma charrete, conhecida como sulky.

Como essa modalidade quase não existe nas competições brasileiras, a dica é começar a apostar on-line. Assim, você conhece outros tipos de corrida, como o galope com obstáculos e o trote atrelado, e tem chances de ganhar até mais dinheiro porque as corridas internacionais têm modalidades diferentes de apostas.

Para apostar on-line, é necessário escolher um site de confiança, de algum agente credenciado, em que você possa fazer suas transações com transparência. O funcionamento é bastante simples e lembra o método tradicional de aposta.

Primeiro, escolhe-se um hipódromo, depois a reunião, o páreo, a modalidade de aposta e o cavalo. Pela internet, você também encontra os programas com o histórico detalhado da performance do cavalo.

Quais foram os últimos campeões?

Ao longo de 99 edições, o Grand Prix d’Amérique teve grandes campeões. Veja a seguir a lista dos cavalos que ganharam a corrida nos últimos anos. Em 2019, serão 18 competidores disputando a glória que esses animais já tiveram.

  • 2001: Varenne;
  • 2002: Varenne (além de ser bicampeão do Grand Prix d’Amérique, foi também um ótimo reprodutor);
  • 2003: Abano As;
  • 2004: Kesaco Phedo (teve uma das melhores direções do Grand Prix d’Amérique. Seu piloto foi a lenda viva Jean Michel Bazire);
  • 2005: Jag de Bellouet (foi um craque nas pistas e um dos poucos que alcançaram algo quase impossível: venceu nas duas modalidades — atrelado e montado — as duas provas mais importantes do turfe em menos de dez dias, o GP d’Amérique e o GP Cornulier, além também de ser também um ótimo reprodutor);
  • 2006: Gigant Neo;
  • 2007: Offshore Dream;
  • 2008: Offshore Dream (bicampeão da prova mais importante do trote, é também um garanhão muito requisitado);
  • 2009: Meaulnes Du Corta;
  • 2010: Oyonax (foi um excelente animal nas pistas e assinalou uma das melhores marcas de todos os tempos no Grand Prix d’Amérique);
  • 2011: Ready Cash;
  • 2012: Ready Cash (esse animal foi bicampeão do GP d’Amérique e é considerado um dos maiores fenômenos do mundo do trote de todos os tempos. Hoje é um dos melhores reprodutores do mercado, pai inclusive do incrível Bold Eagle);
  • 2013: Royal Drea (foi um excelente cavalo e o responsável por tirar o tricampeonato do craque Ready Cash, segundo colocado em 2013, superando por uma boa vantagem, hoje um reprodutor renomado);
  • 2014: Maharaja (sempre com excelente desempenho, foi uma das forças no GP d’Amérique 2014 e confirmou as boas expectativas de forma convincente);
  • 2015: Up And Quick (além de vencer nesse ano, em 2014 foi o segundo colocado e, em 2016, teve o terceiro lugar, perdendo para as duas feras Bold Eagle e Timoko);
  • 2016: Bold Eagle;
  • 2017: Bold Eagle (é bicampeão do Grand Prix d’Amérique e já conta com 3,2 milhões de euros em prêmios).
assista aqui o Grand Prix D´Amerique de 2017:

Como é o hipódromo de Vincennes?

Construído em 1863, as pistas de Vincennes formam um dos hipódromos internacionais mais famosos. Localizado a 35 minutos da região central de Paris, em meio a uma área verde, o hipódromo comporta 60 mil pessoas e tem duas pistas.

A menor tem 1.325 m, e a maior tem 1.975 m. Corridas na duas podem ser estendidas até 3.000 m com o acréscimo de um trecho em linha reta que pode servir como largada.

Além das corridas de cavalo, o hipódromo também já recebeu diversos shows e tem restaurantes e bares.

Quando será a próxima corrida?

O Grand Prix d’Amérique acontece sempre no último domingo de janeiro, todos os anos. Em 2019, a data será dia 27. Como vimos, o prêmio não tem só a corrida principal, mas diversos outros eventos.

Este ano, os portões do hipódromo abrem às 11 h. Às 12h45, acontece a primeira atração, uma apresentação com o domador de cavalos Maria Luraschi. Ao longo da tarde, e antes da corrida principal, os jóqueis do Grand Prix são apresentados, assim como os cavalos. O Grand Prix d’Amérique começa de fato às 16h05.

Agora você já conhece melhor o Grand Prix d’Amérique. O prêmio é uma bela homenagem dos franceses aos Estados Unidos e faz 100 anos em 2020. Com 18 cavalos concorrendo, a corrida é do tipo trote atrelado, categoria famosa em outros países.

O Grand Prix é tão esperado que existem cinco corridas classificatórias para os cavalos e jóqueis, que começam em novembro. Dos tipos de corridas às modalidades de apostas e das diferenças entre os prêmios às regras rígidas de controle das competições, o universo do turfe é um prato cheio para acompanhar todos os aspectos de um esporte!

Gosta de conhecer mais informações sobre as corridas internacionais e o d’Amérique? Assine, então, a nossa newsletter.



Compartilhe com seus amigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *