Daniel Peres, um guerreiro do turfe

Natural de Porto Alegre, aos 49 anos, casado com Roberta Madeira e pai dos jovens Matheus e Isabella, Daniel Peres é um guerreiro do turfe.

Trabalhador e dedicado, Daniel após grande sucesso no Cristal, se mudou de mala e cuia do chimarrão para trabalhar no competitivo turfe carioca.

Valente e destemido, Daniel vem conseguindo seu espaço, como de hábito, contando com apoio de seus fiéis proprietários. Sempre com um sorriso no rosto e muita disposição para a lida do dia a dia, o treinador tirou um tempo de seu dia para nos contar um pouco da sua história.

Há quanto tempo você trabalha com o turfe?

“Comecei muito cedo na atividade, praticamente tendo me criado dentro das cocheiras no Cristal, Trabalhei como cavalariço, segundo-gerente. Em 1991 recebi a matrícula de treinador e já na inscrição inicial veio a primeira vitória. Então, só de carreira já estou para completar 28 anos.”

Algum animal especial, Daniel?

Legend Victor

“Tive alguns bons animais, claro, mas o que mais me marcou e, com certeza, o melhor que já treinei foi Legend Victor, um tordilho lindo, vencedor da milha do bento Gonçalves, o Grande Prêmio Presidente da República (L.).”

Com quantos cavalos você está trabalhando atualmente?

“Tenho mantido sempre uma média de vinte animais, nenhum grande craque, mas por quem tenho enorme carinho. São eles e minha família que me dão força para continuar na batalha.”

E qual o melhor deles?

“O cavalo que tem me surpreendido positivamente é o tordilho Lepetit Vert (Stud ACX), que a cada corrida se apresenta melhor.”

Como você enxerga a situação do turfe atual?

Vivi toda minha vida no Cristal, aonde obtive vitórias importantes. Hoje estou na Gávea e venho conseguindo me firmar. Infelizmente o turfe no Brasil passa por um momento difícil, mas tenho esperanças de dias melhores.

Vejo um ponto muito complicado para a renovação dos animais, com e o fechamento de alguns haras. Isso no futuro pode nos trazer grandes problemas, porém, como todo brasileiro, eu acredito que vamos encontrar soluções num futuro próximo.

Deixe uma mensagem para os turfistas:

“Vamos seguir trabalhando, na batalha para fazer um turfe sempre melhor e mais forte.

Desacreditar, jamais”

TEXTO: Thiago Guedes

IMAGENS: Arquivo Pessoal; Gerson Martins; e Sylvio Rondinelli



Compartilhe com seus amigos