Apostas em cavalos: conheça a sua popularidade fora do Brasil

apostas em cavalos

As apostas em cavalos estão reconquistando o seu espaço no Brasil. Mesmo sem a popularidade de outros tempos, o turfe ainda é tradicional no país e atrai novos interessados por conta da possibilidade de faturar com ele. Fora daqui, como na Inglaterra — em que até a rainha é fã dos animais —, as corridas figuram entre os esportes mais relevantes do lugar.

Neste post, você conhecerá o panorama das apostas hípicas em outros países, além de entender a razão de o Brasil ser um ótimo local para se investir nessa atividade. Veja mais!

Qual é a importância do turfe em outros países?

Se no Brasil o turfe é tradicional, em outros países ele está incluído entre os esportes com maior popularidade e importância. Confira, a seguir, algumas potências da corrida de cavalo no mundo!

Reino Unido

A Inglaterra é o berço do turfe. Apesar de as corridas de cavalos serem disputadas desde a Grécia Antiga, foi no século XVIII que o esporte se profissionalizou e foram criados os primeiros clubes. O mais importante deles é o The Jockey Club, fundado em 1750. Ele é responsável por diversas corridas tradicionais do país.

Uma das maiores fãs de cavalos é a rainha Elizabeth II, chefe do trono britânico. Além de acompanhar regularmente as corridas e de ter uma criação da raça Puro Sangue Inglês, ela também é uma apostadora assídua. Em 2016, a rainha lucrou mais de R$2,3 milhões e, ao todo, já venceu mais de 400 apostas.

O evento mais tradicional do Reino Unido é o The Royal Ascot, disputado desde 1711. São cinco dias de páreos, que acontecem no mês de junho, os quais movimentam cerca de £7,3 milhões (R$36,9 milhões) somente em premiação para os cavalos vencedores. Em relação à corrida com obstáculos, o destaque é a Cheltenham Gold Cup, criada em 1924 e disputada no mês de março.

Estados Unidos

Nos Estados Unidos, o grande destaque são as corridas que formam a Tríplice Coroa Americana. O Kentucky Derby, o Preakness Stakes e o Belmont Stakes são páreos disputados por cavalos entre os meses de maio e junho. O conjunto que consegue vencê-los no mesmo ano leva para casa um dos títulos mais cobiçados do turfe.

Outra competição muito relevante nos EUA é a Breeders’ Cup. Em 2018, ela será realizada nos dias 2 e 3 de novembro, em Churchill Downs (local do Kentucky Derby). O festival ocorre em hipódromos diferentes a cada ano e conta com milhares de pessoas, prêmios milionários para os vencedores e diversas atividades de entretenimento durante o fim de semana.

A indústria do turfe movimenta bilhões de dólares nas terras norte-americanas. Isso explica porque alguns cavalos brasileiros consagrados foram vendidos por altas cifras para criadores da terra do Tio Sam. É o caso de Bal a Bali, vencedor do GP Brasil e da Tríplice Coroa Carioca em 2014, o qual teve 80% dos seus direitos vendidos para um investidor dos EUA.

Como as leis são estaduais, as apostas físicas não são permitidas em todos os lugares dos Estados Unidos. Porém, alguns hipódromos tem destaque internacional, como Gulfstream Park, na Flórida. Através do site da PMU Brasil, é possível apostar nesse e em muitos outros locais. Além disso, as premiações para os cavalos vencedores são milionárias, o que motiva a sua criação.

França

A França é um dos maiores mercados de turfe do planeta. Anualmente, os clubes organizam cerca de duas mil corridas, com uma média de oito páreos cada. As apostas também são muito difundidas e, junto com a Inglaterra, ela lidera o volume de jogos nesse esporte.

A grande diferença do turfe francês é a importância do trote, que não é tão praticado no Brasil. O país europeu é a maior potência dessa modalidade, com mais de 11 mil corridas anuais. O hipódromo de Paris-Vincennes é o mais conhecido e abriga provas do trote montado e atrelado.

No galope, a maior competição francesa é o Prix de l’Arc de Triomphe (Grande Prêmio Arco do Triunfo), disputado anualmente em outubro. Na edição de 2018, a égua Enable sagrou-se bicampeã no páreo principal em pista de grama plana de 2.400m, realizado no hipódromo de Paris Longchamp. Assim como a Breeders’ Cup, as premiações do torneio são milionárias.

Como é o mercado de apostas no turfe mundial?

As apostas nas corridas de cavalo são muito tradicionais em locais como a Inglaterra, onde apostadores movimentam bilhões de libras esterlinas na tentativa de lucrar com o esporte. Em 2008, Fred Craggs ganhou £1 milhão em uma aposta acumulada de 50 pounds (centavos), ao acertar os vencedores de três páreos diferentes.

A estimativa é de que o mercado do turfe fature US$115 bilhões por ano, o que ultrapassa os R$ 400 bilhões. Nos Estados Unidos, por conta das leis estaduais contra as apostas no século XX, alguns hipódromos fecharam, mas o país segue como um dos locais de maior relevância na prática esportiva.

PMU é a maior gestora de apostas hípicas da França e a segunda maior da Europa. Em 2017, o montante de apostas nesse país chegou aos €10 bilhões, um número expressivo e que coloca o esporte entre os mais relevantes por lá. Desde 2003, é possível jogar pela internet e apostar em corridas internacionais.

Além do grande volume de apostas, o mercado do turfe, que envolve a premiação para os cavalos e a manutenção dos hipódromos, também é maior fora do país. Por esse motivo, alguns cavalos e jóqueis de elite do Brasil disputam competições no exterior, buscando novos títulos e expressivos cheques.

Um fato curioso é que os Emirados Árabes Unidos realizam, anualmente, a Dubai World Cup, competição que destina US$10 milhões ao vencedor e está entre as mais importantes do mundo. Porém, como as apostas não são permitidas no país, somente estrangeiros (caso do Brasil), por meio da internet, conseguem apostar.

Quais as vantagens das apostas em cavalos no Brasil?

Muito popular nas primeiras décadas do século XX, o turfe registra um crescimento no volume de apostas no Brasil. Em 2017, foram movimentados R$218 milhões, 12% a mais que 2016. Uma das explicações é o investimento no desenvolvimento da atividade, com a ampliação dos pontos de venda e o aumento dos jogos pela internet.

Conheça algumas vantagens de apostar no turfe no Brasil!

Legalizada pelo governo

Ao contrário dos jogos de azar, as apostas no turfe são completamente legalizadas pelo Governo Federal. Assim, é possível apostar nos hipódromos pela internet, pelo telefone ou nos pontos de venda. Também há a facilidade de utilizar o cartão de crédito ou o cartão pré-pago que é destinado a isso.

Programação extensa

As opções de apostas no turfe são extensas. Somente no Jockey Club Brasileiro, são em média quatro reuniões semanais, com cerca de nove páreos cada uma. Ademais, é possível apostar em outros hipódromos brasileiros (São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul) e em corridas internacionais (França, EUA e Austrália, por exemplo).

Fonte de emoção

Além da possibilidade de gerar uma renda extra, o turfe também é um esporte muito emocionante. Muitas corridas são definidas pelo photochart, por exemplo, que é o sistema que fotografa a linha de chegada para conhecer o vencedor. A maioria dos páreos é transmitida pela TV Turfe, em que o apostador acompanha os cavalos ao vivo.

Agora que você conhece mais sobre o turfe, pode se aprofundar nas apostas em cavalos e realizar os seus primeiros jogos. Esse esporte tão tradicional no Brasil está em crescimento nos últimos anos e tem a estimativa de aumentar em 20% o mercado de apostas. Vai ficar de fora dessa?

Ficou interessado em apostar nas corridas de cavalo? Confira o nosso guia completo e comece agora mesmo!

Compartilhe com seus amigos