A arte de treinar o cavalo de corrida de alta performance

Atenção! Foi dada a partida. As portas se abrem e, em uma fração de segundos, aqueles animais de quinhentos quilos pulam do partidor e se lançam na pista, ávidos por empregar toda a energia que têm, para sobrepujar os adversários.

A largada dos páreos é um deslumbrante espetáculo de plasticidade, agilidade e condicionamento físico dos cavalos e de seus pilotos. Nos primeiros 13 segundos, os animais já percorrem, em média, 200 metros. Em corridas de cavalos mais curtas, chegam a desenvolver quase 70 quilômetros por hora!

Mas como será que um animal desses é treinado e obtém a forma ideal para chegar aos 200 batimentos cardíacos por minuto, alcançados numa pista?  Assim como um nadador, um corredor ou qualquer atleta de alta performance, há também um treinamento especifico para cada animal, a depender de suas características individuais e do tipo de corrida que vai participar.

Neste post, você vai conhecer as diferentes formas de se treinar um cavalo, além de entender a importância de uma boa alimentação e de uma rotina de treinos para a corrida. Confira!

Quais são as diferentes formas de treinar um cavalo?

Dependendo da finalidade a qual o animal será destinado, deve-se usar diferentes formas de treinamento. Cavalos que ajudam forças policiais têm um treinamento, aqueles que participam de concursos tem outro e os de corrida são treinados de um modo ainda mais específico.

Por esse motivo, é importante saber que não há uma forma de treinamento que sirva para todos os animais, mesmo que eles venham a ter “carreiras” parecidas. Tudo vai depender da resposta que o animal dará à implantação do treino e como o seu corpo reagirá às demandas.

O treino de um cavalo de corrida começa quando o animal já está domado e precisa ganhar capacidade pulmonar, cardíaca e muscular. Nesse primeiro período, conhecido como doma, a ideia é tornar o animal mais manso e fazer com que ele obedeça aos comandos do homem.

A doma começa quando o animal faz dois anos de idade, mas sua duração pode variar. Alguns cavalos com temperamento mais forte, como os da raça puro sangue-inglês, precisam de mais dedicação do treinador, porque costumam ser mais rebeldes. A raça é conhecida por ser destemida.

Alguns comandos básicos são ensinados durante a doma do animal para orientar, por exemplo, se o cavalo deve seguir para esquerda ou direita e se deve parar.

Como saber se o cavalo está apto para os treinos?

A principal indicação de que o cavalo já pode começar a treinar para as corridas está em sua obediência. Se ele estiver realmente domado, já pode começar a ter treinos de trote e depois, de galope. Esses treinos são necessários para que os animais percam gordura, afinal, é comum que a maioria esteja levemente acima do peso.

Esses primeiros treinos de galope são conhecidos como tiros curtos e vão de 200 a 800 metros. Conforme o avanço dos treinos, é possível identificar os animais com mais chances de sucesso. Apesar de a corrida estar “nas veias” do puro sangue-inglês, cada animal é único. Por isso, não se pode pular etapas e forçar um rendimento a um animal que ainda está despreparado.

No treino individual, é preciso considerar a sua filiação e o histórico de rendimento dos seus pais, o seu físico e como o seu rendimento se relaciona com a distância das pistas.

Alguns cavalos, por exemplo, têm ótimos disparos e são melhores em corridas mais curtas. Outros, entretanto, são mais aptos a partidas com mais tempo e distância para desenvolver a velocidade e fazer ultrapassagens.

Depois dos treinos, chega a hora de estrear um animal em uma corrida de verdade. Para isso, ele precisa preencher uma série de requisitos, que não são necessariamente regras, mas fazem parte do turfe.

De modo geral, é necessário que um animal apresente as seguintes características:

  • boa formação muscular;
  • cernelhas destacadas (região também conhecida como “nuca”);
  • temperamento dócil, corajoso e inteligente;
  • boa sustentação do dorso lombar (região na qual o jóquei senta);
  • bom arqueamento das costelas (permite ao jóquei prender bem as pernas e dá boa condição cardiorrespiratória ao cavalo);
  • boa abertura das narinas.

Esses pontos podem ser identificados pelos apostadores que estão nos hipódromos e precisam escolher o cavalo. Além disso, para apostar em um cavalo com boas chances de ganhar, é importante estudar sobre a descendência do animal, histórico de vitórias do cavalo e do jóquei. Todas essas informações são disponibilizadas em documentos conhecidos como programas.

Como é a rotina de treinos para corrida?

Mesmo que os treinos sejam personalizados, conforme o hipódromo e a visão do treinador, há um programa básico que é seguido. Como vimos, assim que domado, o animal pode ter seu treino focado em desenvolver a capacidade de correr.

Tudo começa com pequenos treinos de trote por cerca de duas semanas, pouco tempo por dia. Nos dois meses seguintes, entra o treino básico de galope diariamente. Antes dele, no entanto, o cavalo sempre é aquecido com marcha e trote.

Em hipódromos como o da Gávea, do Jockey Club Brasileiro, existem piscinas para que os cavalos possam continuar os seus treinos enquanto estiverem lesionados, relaxarem e aumentarem a capacidade pulmonar.

Treinar cavalo de corrida é o tipo de coisa que deve ser feita de forma personalizada e ter sempre um limite, devido ao risco de estresse físico, como com todo atleta. Nesses casos, os animais têm a temperatura corporal aumentada, assim como a frequência cardíaca. Eles também têm o tempo de recuperação esticado e não conseguem ter energia suficiente.

Além desse motivo, cavalos de alta performance, como o quarto de milha e o puro sangue-inglês, devem ter um treino que priorize o desenvolvimento das fibras de contração rápida, que consome glicose. Elas são responsáveis por proporcionar uma maior aceleração.

Para isso, o treino precisa ser intenso e curto. Caso contrário, não é mais a glicose que será consumida como combustível, mas os lipídeos. Quando isso acontece, as fibras estimuladas são as chamadas lentas. Assim, o cavalo perde a capacidade de explosão em função de uma capacidade maior de manter a corrida.

A duração dessa fase vai de 18 a 24 meses, antes de permitir que o animal entre em uma competição. Afinal, não é de uma hora para outra que coração, pulmão, ligamentos e músculos ficam prontos para encarar as pistas em corrida oficial.

Além de desenvolver o organismo dos animais, os treinos também servem para que os cavalos entendam que devem correr em linha reta, acostumem-se psicologicamente com o cenário das corridas e a sair das baias.

Nos treinos, os cavalos também são colocados lado a lado nas raias para se acostumar com a companhia de outros. Isso é importante para a segurança dos jóqueis e dos próprios animais durante as competições.

Por que a alimentação influencia no desempenho?

Como vimos, o principal combustível das fibras musculares dos cavalos de explosão é a glicose. Por isso, um dos aspectos importantes ao treinar um cavalo de corrida é a sua alimentação. A dieta do animal deve ser focada em obter energia de absorção rápida, com uma boa quantidade de carboidratos.

Por isso, os hipódromos contam com equipes de veterinários que cuidam de todos os aspectos da saúde do animal. A alimentação é um dos mais importantes. Se houver alguma incapacidade de absorção de vitaminas, podem ser adicionados suplementos à dieta do animal.

Agora você já sabe como é o dia a dia de treinos de um cavalo de corrida e o que é necessário para transformar um potro em um verdadeiro vencedor.

Além do desenvolvimento da capacidade física, treinar cavalo de corrida é essencial para que o cavalo se acostume com a dinâmica do processo: o sinal toca, o jóquei se prepara, as portas abrem e ele precisa correr. Sem estar acostumado com tudo isso, seria impossível ter aquela disciplina que vemos nos páreos do dia a dia!

Pra quem quer ver de perto como funciona este treinamento, as atividades acontecem no Hipódromo da Gávea, de segunda a sábado, das 5 às 9 horas da manhã, e são abertas ao público, com entrada franca.

Texto: Fernando Freire Cury

Fotos: Sylvio Rondinelli



Compartilhe com seus amigos

6 comentários “A arte de treinar o cavalo de corrida de alta performance

  1. Gostei muito do envolvimento e dedicação cm os animais, eu também gostaria de saber os passo a passo de um treinamento de cavalo de corrida profissional, estou começando com corridas à pouco tempo e gostaria de aprender com os profissionais do jcb, grato.

  2. Sou estudante de Zootecnia, sou do Piauí e desejo me especializar na Área de Etologia Equina, e quero aprender os métodos de Treinamento que requer um cavalo de corrida, aonde eu encontro um curso desses? Quanto custa em média? E aonde eu posso trabalhar nessa área…

  3. Boa tarde! Queria saber qual a quantidade de volta diário para um cavalo de corrida q disputa uma metragem de 300 mts.
    O trabalho diário dele por dia 4 volta é suficiente.Ou menos ou mas volta?
    Queria saber tmb faltando 30 dias para a competição, durante esse trabalho diário.Eu trabalho ele em trabalho mas leve,ou em um galope mas aforcado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *